• Eleitores relatam preocupação com a Covid-19; especialistas dizem que risco de contaminação nas eleições é baixo



    Médico enfatiza que a população não pode se descuidar no que diz respeito à utilização correta da máscara. Por conta da pandemia, locais de votação ficarão disponíveis entre 7h e 17h Roberto Jayme/TSE Muitos eleitores da Baixada Santista, região de São Paulo, estão preocupados com a pandemia no momento de votar nas eleições de 2020. O risco de contaminação pelo novo coronavírus nos locais de votação, porém, é pequeno, segundo especialistas, por conta das medidas de prevenção adotadas pela Justiça Eleitoral. De acordo com o Ministério da Saúde, idosos, gestantes, puérperas e pessoas com comorbidades, como diabetes, obesidade, asma e hipertensão, se enquadram no grupo de risco e devem redobrar os cuidados de prevenção ao coronavírus. Renan Pinho Ribeiro, de 32 anos, tem diabetes do tipo 1. Aposentado por invalidez, ele diz que chegou a cogitar a possibilidade de não comparecer à eleição deste ano, por ser do grupo de risco, mas decidiu que irá participar, porque acredita que o voto permite que a população mude o país. “O que me motiva é a fé, por acreditar que haverá mudanças no nosso município. E somos nós, os eleitores, que podemos mudar isso”, destaca. A dona de casa Valdirene Maria da Silva, de 36 anos, está grávida de cinco meses. Ela conta que continua evitando sair de casa, por conta da pandemia. No dia da eleição, porém, Valdirene irá às urnas para exercer seu direito de cidadã. “Meu voto é muito importante. Devo cobrar aquele que eu votei como candidato, assim como cobro do atual prefeito. Não tenho receio nenhum em votar, tomando as medidas para me prevenir”, diz Valdirene, que é eleitora em Santos. A aposentada Neuza Archanjo, de 67 anos, diz que tem receio de ir votar, por medo de que haja aglomeração de pessoas. Ela já teve Covid-19 e diz que, com a pandemia, redobrou os cuidados com a higiene. Eleitora de Santos, a idosa comenta que só irá às urnas este ano porque é obrigatório. “A gente dá o voto e eles [políticos] não fazem nada. Quando as pessoas precisam dos políticos, eles estão bem longe”, lamenta. Máscara deve cobrir a boca e o nariz para evitar risco de contaminação Anderson Bianchi/Prefeitura de Santos Medidas Uso correto da máscara, cobrindo a boca e o nariz, higienização das mãos e distanciamento de ao menos um metro dos demais eleitores e mesários são algumas das medidas para proteger a população durante as eleições municipais deste ano. De acordo com o médico infectologista Evaldo Stanislau, o risco de contaminação nos locais de votação é o mesmo de quem sai à rua para ir à farmácia ou ao supermercado, por exemplo. “Todo mundo usando a máscara corretamente, e a Justiça Eleitoral fazendo a sua parte, provendo um ambiente bastante amplo, sem filas, organizado e com álcool em gel para higienização, o risco de ir votar é o mesmo que qualquer pessoa que está na rua para fazer qualquer coisa. Talvez ainda menor, porque, na seção eleitoral, pelo o que a gente tem notícia, vai ter esse cuidado de evitar, a todo custo, aglomeração, e uma oferta abundante de álcool em gel”, explica. O médico enfatiza que a população não pode se descuidar no que diz respeito à utilização correta da máscara. “Máscara no queixo, nariz para fora, máscara no pescoço, isso não é uso correto da máscara. É evidente que isso representa um risco”, alerta. Segundo Stanislau, é importante que os eleitores fiquem o tempo todo com a máscara enquanto estiverem no local de votação; também não se deve colocar a mão no rosto, pois isso aumenta o risco de contaminação. “Se a Justiça Eleitoral cumprir o que está prometendo, acho que a gente vai ter condição de fazer uma votação com risco pequeno. Não vou falar que o risco é zero porque isso não existe, mas as pessoas têm que fazer a sua parte, que é usar a máscara corretamente”. Plano de Segurança Sanitária De acordo com o Plano de Segurança Sanitária, divulgado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), o uso de máscara no local de votação é obrigatório. A recomendação para os eleitores que apresentem febre ou tenham sido diagnosticados com Covid-19 nos 14 dias anteriores à data da eleição é de não comparecer à votação, e justificar o voto posteriormente. Para a proteção dos eleitores, a Justiça Eleitoral deverá fornecer álcool em gel nas seções, para que os eleitores higienizem as mãos antes e depois de votar. A utilização de canetas próprias e o distanciamento de ao menos um metro nas filas também estão entre as medidas de segurança do TSE para garantir a segurança de eleitores e mesários. O primeiro e o segundo turnos das eleições de 2020 estão marcados para 15 e 29 de novembro, respectivamente. Os locais de votação ficarão disponíveis entre 7h e 17h, sendo que o período das 7h às 10h será preferencial a eleitores com mais de 60 anos. Eleições 2020 O G1 Santos está produzindo, diariamente, reportagens especiais sobre as eleições 2020. Além de entrevistas exclusivas, levantamento de dados e serviço, os internautas podem acompanhar matérias de assuntos de interesse público e que preocupam bastante a população dos nove municípios da Baixada Santista e do Vale do Ribeira. Para acompanhar toda a cobertura, basta acessar a página especial.
  • VÍDEOS: Bom Dia Região de segunda-feira, 19 de outubro



    Assista aos vídeos do telejornal com as notícias da Baixada Santista e do Vale do Ribeira. Assista aos vídeos do telejornal com as notícias da Baixada Santista e do Vale do Ribeira.
  • Milhares de pessoas se aglomeram em mega baile funk no litoral de SP



    Imagens mostram multidão aglomerada na comunidade Vila Telma, na Zona Noroeste de Santos. Guarda Municipal afirma não ter sido acionada. Milhares de pessoas se aglomeram em baile funk em Santos, SP durante pandemia de coronavírus Milhares de pessoas se aglomeraram em um baile funk realizado na comunidade Vila Telma, na Zona Noroeste de Santos, no litoral de São Paulo, no último domingo (18), mesmo com o avanço da pandemia do novo coronavírus na cidade. O assunto 'Telma' chegou a ser um dos mais comentados do Brasil no Twitter. Imagens obtidas pelo G1 mostram a grande aglomeração na Avenida Brigadeiro Faria Lima, no bairro Rádio Clube, onde está situada a comunidade. O baile funk teve início na noite de sábado (17) e se estendeu por toda a madrugada e início da manhã de domingo. Nas imagens, divulgadas nas redes sociais, é possível observar as pessoas aglomeradas em torno de caixas de som e veículos como carros e motos. Ninguém utiliza máscara de proteção facial. Milhares de pessoas se aglomeram em baile funk realizado em Santos, SP Reprodução Um dos participantes da festa irregular foi o cantor MC Cebezinho, que conta com mais de 320 mil seguidores nas redes sociais. O próprio cantor chegou a divulgar a participação dele no evento, onde se apresentou ao público. O G1 tentou contato, via telefone, com o MC Cebezinho e com a organização do evento, mas não obteve resposta até a última atualização desta reportagem. Em nota, a Prefeitura de Santos esclarece que esse tipo de ocorrência requer a realização de uma força-tarefa policial, portanto, coordenada pelas autoridades policiais, que contam com o apoio da Guarda Civil Municipal (GCM) quando acionada. A GCM não foi acionada e nem recebeu denúncias da população sobre o evento. A administração ressalta, ainda, que a população, sempre que constatar irregularidades, pode denunciar via Ouvidoria (162 e www.santos.sp.gov.br/ouvidoria) e pelo telefone 153, da GCM, que fica disponível 24 horas por dia e é interligado ao Centro de Controle Operacional (CCO) de Santos. Pandemia No dia 9 de outubro, a Baixada Santista foi reclassificada para a fase verde do 'Plano São Paulo' de flexibilização da quarentena e retomada da economia. Apesar da liberação para eventos, convenções e atividades culturais com até 600 pessoas, a realização de grandes shows continua proibida. Santos é a cidade com mais casos confirmados, óbitos e internações por Covid-19 na região da Baixada Santista. No último domingo, o município chegou a 21.139 confirmações, 93 pacientes internados e 662 mortes causadas pela doença. Milhares se reúnem em aglomeração durante baile funk em Santos, SP Reprodução VÍDEOS: as notícias mais vistas do G1
  • Acesso ao transporte público é desafio na periferia de Cubatão, SP



    Moradores questionam horário de circulação dos ônibus municipais e carência de aplicativos. Acesso ao transporte público é desafio na periferia de Cubatão, SP Carlos Nogueira/Jornal A Tribuna Quem vive nas áreas mais isoladas de Cubatão (SP) enfrenta a falta de acesso ao transporte público. Nos bairros Fabril e Pinhal do Miranda, além da oferta reduzida de linhas de ônibus, até os carros por aplicativo se recusam a circular, principalmente no período da noite. “Justamente no horário em que a gente mais precisa, na verdade”, explica o morador e líder comunitário Antônio Nogueira Clementino, de 55 anos. “Não é todo mundo que tem condição de manter um carro, então, se acontece uma emergência à noite, se precisa levar uma criança no Pronto-Socorro, ônibus não tem de madrugada e o carro por aplicativo não vem”. Integrante de projetos locais, como o Comunicação Comunitária (Com Com), Antônio intitula-se um 'agente multiplicador' e reúne queixas de vizinhos para apresentar às autoridades. “Essa luta pelo transporte é antiga. Não adianta trocar de empresa por carros melhores, sem reforçar a frequência de horários. A gente se sente preso aqui”. Vila dos Pescadores Residente há 35 anos da Vila dos Pescadores, a produtora cultural Cintia Neli é outra que questiona as condições de mobilidade. Ela relata que não foram poucos os compromissos perdidos devido a atrasos dos ônibus. “Principalmente em consultas médicas e, muitas vezes, ao nosso próprio trabalho. O pior é que não dá nem para reclamar, porque não conseguimos falar com a empresa. Acabamos recorrendo ao transporte alternativo [vans], que nos conhecem e fazem bem o serviço”. Cintia comenta, também, a falta de cobertura nos pontos de ônibus e a "enrolação" da prefeitura em providenciar melhorias. “Na chuva, o povo fica exposto. Fora que não há nem sinalização em alguns lugares. Se vem um cadeirante ou idoso, então, a gente tem que ajudar a subir, porque, com as rampas quebradas, fica difícil de embarcar”. Missão 2021 Para o próximo ano, o desejo por mudanças é nítido na população cubatense. As exigências ficam sobre o governo municipal, que terá papel de conciliador entre as questões que pode resolver e as que deve recorrer a concessionárias e empresas parceiras, mediando as solicitações dos moradores. “Eles pensam que nossa memória é curta e que esquecemos as promessas feitas a cada quatro anos. As comunidades se organizaram e estão se manifestando”, finaliza Cintia. Ônibus A Prefeitura de Cubatão informa que licitou e contratou uma nova empresa de ônibus, com início da operação em novembro de 2019. O edital previu, para as 15 linhas, 49 veículos com ar-condicionado, Wi-Fi, acessibilidade e aplicativo de horários e trajetos por smartphone. Esses novos veículos contam, ainda, com acessibilidade para deficientes físicos ou pessoas com mobilidade reduzida, e haverá a intensificação da regra para que os coletivos parem fora dos abrigos de embarque/desembarque das 22h às 5h, conforme a Lei Municipal nº 3.744/2015. As linhas municipais fazem os trajetos Ilha Caraguatá/Usiminas; Vila Esperança/Cruzeiro; Cruzeiro/Ilha Bela; Bolsão/Cruzeiro; Jardim Costa e Silva/Vila Natal; Pilões/Avenida Nações Unidas; Cemitério/Vila dos Pescadores; Cruzeiro/Cota 200; Vale Verde/Avenida Nações Unidas; Rubens Lara/Fabril; Rodoviária/Mantiqueira; Rodoviária/Cesari; Cruzeiro/Bolsão; Rodoviária/Água Fria; Cruzeiro/Morro do Índio; Ilha Caraguatá/Cruzeiro. Aplicativos Sobre a entrada dos motoristas de aplicativos em bairros da periferia, o Sindicato dos Trabalhadores com Aplicativos de Transporte Terrestre no Estado de São Paulo (Stattesp) afirma que o problema registrado pelos moradores é resultado da falta de segurança. Segundo o sindicato, os recorrentes casos de assaltos, roubos e até mortes inibem o atendimento dos motoristas aos seus usuários nestes locais. A entidade reforça que já solicitou providências junto aos órgãos de segurança e plataformas de apps para resolver a questão. Mesmo assim, informa ter realizado amplo trabalho de conscientização junto a motoristas para prestar atendimento correto aos usuários, que utilizam tal modal para deslocamentos de urgência e emergência, em horários diversos. Eleições 2020 O G1 Santos está produzindo, diariamente, reportagens especiais sobre as eleições 2020. Além de entrevistas exclusivas, levantamento de dados e serviço, os internautas podem acompanhar matérias de assuntos de interesse público e que preocupam bastante a população dos nove municípios da Baixada Santista e do Vale do Ribeira. Para acompanhar toda a cobertura basta acessar a página especial.
  • Vigilância Sanitária de Guarujá, SP, realiza ação de fiscalização em academias



    De acordo com a prefeitura, operação tem o objetivo de averiguar o cumprimento das medidas sanitárias de combate ao novo coronavírus. Vigilância Sanitária de Guarujá coordena fiscalização em academias esportivas Reprodução/TV Globo A Vigilância Sanitária de Guarujá, no litoral de São Paulo, coordena uma operação de fiscalização em academias esportivas a partir desta segunda-feira (19). De acordo com a prefeitura, a ação tem o objetivo de averiguar o cumprimento das medidas sanitárias de combate ao novo coronavírus. Além das academias, o órgão fiscalizou hotéis e pousadas, bem como mercados, mercearias, restaurantes e quiosques. Após o reforço da vistoria às academias, que acontece até 31 de outubro, a expectativa é de que a Vigilância Sanitária passe a fiscalizar salões de beleza e barbearias. Durante a vistoria, os fiscais checam se os estabelecimentos atendem aos critérios de funcionamento em meio à pandemia, como o uso de máscara facial para clientes e funcionários, demarcação para distanciamento mínimo e álcool em gel disponibilizado para a higienização. No caso das academias, a Vigilância Sanitária também observa se há limpeza constante dos ambientes, como equipamentos de ginástica, elevadores, mesas e corrimãos. Funcionários também necessitar utilizar os equipamentos de proteção individual (EPI) e termômetros para medição de temperatura. A prefeitura aponta, ainda, que em caso de descumprimento, os estabelecimentos são notificados para as adequações em prazo estipulado. Se houver descumprimento, o local poderá ser multado em R$ 300. VÍDEOS: as notícias mais vistas do G1